– Para se hospedar não há muita dificuldade pois sempre tem quartos livres, mesmo que você não tenha feito nenhuma reserva. Porém não seja muito exigente, a maioria dos hotéis são beeeem simples e custam em torno de 60 euros.

– Lembre-se que muitas praias são bem pequenas, algumas apenas residenciais.

– É muito comum encontrar apart-hotel. Custam também em torno de 60 euros, mas não tem café da manhã e outros confortos. Só valem a pena para estadias mais longas e para quem não se importa com simplicidade.

– Há campings por todas as partes, uma maneira econômica de viajar.

– Para quem quer luxo e conforto, há muitos resorts na região.

– Internet em hotel é item raro. Nós recorremos aos Mc Donald’s que encontramos pelo caminho. Mas como ninguém consegue comer Big Mac todos os dias, logo descobrimos que a senha da internet é a mesmo em todos os restaurantes. Resumindo: muitas vezes encostávamos no estacionamento e usávamos o sinal, na maior cara-de-pau.

– Na estrada é possível encontrar algumas casas de artesanatos com preços bem mais em conta e artigos muito mais bonitos do que nas regiões mais movimentadas. Onde compramos alguns itens e tivemos atendimento ótimo foi na Casa Algarve (o endereço consta apenas como: Alqueives – Porches – Lagoa; fone + 351 282 352 682).

– Evite as auto-estradas e você evitará os pedágios. E ainda vai encontrar paisagens muito mais interessantes.

– As estradas são bem sinalizadas, mas vale a pena ter a ajuda de um GPS.

– Viaje com calma e vá parando de praia em praia até encontrar a sua preferida.

– Se possível, leve guarda-sol pois nem todas praias disponibilizam.

– Coma muita sardinha na brasa! Uma delícia.

– No nosso flickr tem muitas outras fotos além das que postamos aqui no blog.

– O Telegraph londrino e o NY Times também dão dicas..

Anúncios